E O OSCAR VAI PARA CARLA DIAZ

Já sabemos que o prêmio de um milhão e meio de reais do Big Brother Brasil é simbólico para muitos dos participantes. Não há dúvidas de que há o comum desejo de ganhar o dinheiro do prêmio. Mas o anseio por aparecer em rede nacional e abrir portas para novos “jobs” ou até mesmo expor seu trabalho e seu estilo de vida é um objetivo em comum que todos que passam pelo programa acabam alcançando de alguma forma.

A atriz Carla Diaz gravou no ano passado dois curta metragens baseados em versões distintas da história de Suzane Von Richtoffen.

Os filmes com os títulos de “A menina que matou os pais” e “O menino que matou meus pais” expõem dois pontos de vistas de uma mesma história. Duas narrativas sobre vivências do mesmo acontecimento.

Em “A menina que matou os pais” a narrativa é contada pelo ponto de vista externo do caso, muito repercutido na época e posteriormente. Além do que já conhecemos sobre o caso, a protagonista convence o namorado e o irmão de que é abusada emocionalmente e sexualmente pela família e os leva a colocar um fim na situação.

Entretanto, o curta “O menino que matou meus pais” aborda a narrativa da órfã que foi convencida pelo namorado a executar os próprios pais.

A jovem que era drogada pelo parceiro enquanto vivenciava um relacionamento abusivo é exibida como a vítima do caso no segundo curta metragem, provando que toda história tem dois lados, ou até mais.

É interessante perceber que a atriz já disse algumas vezes dentro do programa essa frase de que toda história tem dois lados.

Além disso, Carla Diaz vivencia um relacionamento tóxico com o participante Arthur, também de origem mais humilde que a dela (assim como o namorado de Suzane no filme). Também influenciando suas ações na casa, e não compactuando com a “família” que a atriz criou lá dentro.

 

E a atriz se mostra fiel e leal ao companheiro, será que ela está cega assim como Suzane afirmou em entrevistas que estava apaixonada e faria tudo pelo rapaz?

 

Será que Carla Diaz está se colocando em situações e relações tóxicas fazendo referência ao seu filme ou está apenas perdida?


Propositalmente ou não, a atriz e participante do BBB vive hoje uma situação muito comum entre casais: o relacionamento abusivo, a dependência emocional , a toxicidade e a persuasão.

 

Jogo ou não, devemos acolher e agradecer à participante por expor o que muitas de nós muitas vezes não conseguimos evitar em relacionamentos. E nos dar a oportunidade de refletirmos sobre essas situações para conseguirmos enfrentá-las com sabedoria e respeito a nós mesmas!!

Isabela Ramalho

Empreendedora e entendedora de futilidades, apaixonada por tecnologia, autoconhecimento e fotos em tons pastéis.