O ANO MAIS DIFÍCIL DA PANDEMIA

O BBB está acabando e com ele vai embora o escape e a alienação que nos envolveu por esses últimos três meses.

E agora para saber o que está acontecendo no momento teremos que voltar a ler realmente as notícias, os comentários polarizados, as indagações e tudo relacionado à política e à pandemia.

Por que demorou tanto pra chegar a vacina? Por que tem gente que já tomou a segunda dose e tem gente que ainda não? Será que essa conta fecha?
Por que tem gente agindo como se já estivesse tudo bem?

Ao mesmo tempo temos que nos atentar a não entrar nessa vibração de medo e angústia, pra não dizer pânico

 

Pra ser sincera, estou sentindo muita inveja, inveja de quem acha que está tudo bem, inveja dos países que fizeram o isolamento corretamente e agora já estão normalizados, podendo até se aglomerar. Inveja até de quem não tem mais nada a perder.

O medo e a sensação de que vai tudo desabar de vez a qualquer momento não deixam a gente pensar em paz.  Ás vezes, frequentes dores de cabeça e a sensação de impotência.

Uma dualidade é estabelecida: será que nos importamos o suficiente? A culpa de não estar fazendo mais do que o mínimo nos consome, mas temos apenas que agradecer por mais um dia de vida.

 

Mais uma chance de fazer o certo.


E novamente, os aprendizados do ano passado vêm nos servir:

  1. saúde mental em primeiro lugar
  2. corrente do bem e boas vibrações
  3. respeitar as nossas limitações
  4. e ficar em casa quando não há necessidade de sair

Alguma hora isso tudo vai acabar e ainda vamos sentir uma paz por não termos sido mais um “vetorzinho”. Vamos passar por mais essa!

Isabela Ramalho

Empreendedora e entendedora de futilidades, apaixonada por tecnologia, autoconhecimento e fotos em tons pastéis.